Autor: David Cordeiro

Development

O Scrum é uma framework de processos que tem sido utilizada desde o início dos anos 90 para gerir o desenvolvimento complexo de produtos. Não é um processo ou uma técnica para o desenvolvimento de um produto, mas sim uma framework dentro da qual se aplicam vários processos e técnicas. O Scrum torna visível a eficácia da gestão do produto e do seu desenvolvimento, permitindo encontrar melhorias nos mesmos.

Apesar de parecer simplista e fácil pois permite, em ciclos curtos de desenvolvimento, entregar módulos de software que funcionam, aliado à capacidade de controlo através de curtas reuniões diárias, é normal que certas equipas se atirem “de cabeça” sem perceberem se estão de facto preparadas para adoptar esta metodologia.

Muitas das vezes não basta colocar a equipa ao corrente da metologia, ter um Scrum Master certificado e cumprir a coreografia do Scrum. Torna-se necessário que a equipa esteja empenhada em três factores essenciais: adaptação, verificação e transparência. 

“Scrum keeps everything about a project visible to everyone.”

(Ken Schwaber, Agile Software Development with Scrum)

O Scrum motiva a transparência dentro e fora da equipa. A sua transparência é de uma importância vital, visto que permite a qualquer pessoa compreender o que está actualmente a acontecer, gerando uma melhor comunicação e confiança no processo e entre os elementos da equipa. Com o Scrum não existem prioridades nem trabalho que se encontrem escondidos. Com a utilização do Product Backlog, a equipa consegue antever as tarefas a realizar nos sprints seguintes. Desta forma, consegue perceber claramente qual o rumo que esta está a seguir.

No Scrum Board, a equipa apresenta o seu feedback relativo às tarefas planeadas para o sprint, permitindo perceber em qualquer momento o estado actual de cada tarefa. Este quadro deve ter algum detalhe, mas deve também ser o mais simples possível de forma a permitir uma fácil leitura. A utilização de equipas multifuncionais permite a partilha de informação e a compreensão das necessidades e capacidades de cada elemento da equipa, melhorando a comunicação entre todos. Com o feedback atempado por parte da equipa e utilizadores é possível antecipar problemas e evitar constrangimentos, sendo que este feedback pode surgir em qualquer fase do ciclo de desenvolvimento. Durante o Sprint Review, realizado no final de cada sprint, é fundamental que todos os elementos da equipa falem abertamente acerca dos pontos positivos e negativos e que melhorias gostariam de ver implementadas. O objectivo passa por encarar as dificuldades/problemas de forma honesta e chegar a um consenso sobre como estes podem ser ultrapassados.

Apesar da importância da transparência no dia-a-dia da equipa, alguns elementos podem ficar de pé atrás por trabalhar num processo que se baseia na existência da mesma. Acredito que uma das principais razões para isto acontecer advém da capacidade de cada pessoa em admitir os seus erros. Os erros são inevitáveis e a equipa deve ser incentivada a encarar esta premissa como uma base para aprender com os erros que são cometidos, sempre com o apoio do Scrum Master e dos restantes elementos da equipa.

Na minha opinião, se a equipa tiver medo de admitir os seus erros, o processo não será de todo transparente. No entanto, a transparência pode ser obtida se os responsáveis pela equipa tiverem a compreensão para com os erros e reagirem da forma mais adequada quando estes ocorrem. A transparência ajuda as organizações a antecipar ou eliminar surpresas, pois tudo em que a equipa trabalha encontra-se visível e é demonstrado no final de cada sprint. Os ciclos de trabalho curtos fazem com que estes sejam bastante previsíveis. Quando surgem novas tarefas, provenientes de alguma necessidade ou requisito não planeados, basta adicioná-las ao Product Backlog com a prioridade adequada.